Esquenta da balada: Plastiscines

Elas são francesas, lindas, estilosas e possuem uma banda incrível, indicada pela Nylon Magazine como uma das fortes tendências.

Eu conheci as Plastiscines de tanto “ouvir” a @plasticky comentar no twitter sobre a banda. E gente, indico muito. As músicas são animadas, ótimo pra ouvir enquanto a gente se arruma pra balada, além do mais, as meninas da banda inspiram muito em looks pra night.

Loser:

Bom fim de semana 😉

Vocês podem acessar esse post no Paira no Ar também. A partir de hoje, alguns posts que eu publicar aqui, serão publicados lá também. (;

Anúncios

Trench-coat: Mais combinações – parte II

Os versáteis casacos são must have no inverno, e por isso ganharam um editorial só para eles na Vogue China de fevereiro.  As fotos mostram a peça em diferentes composições, inspirador para criar looks interessantes.

Com vestido de renda e bolsa carteira, o trench-coat aparece para proteger do frio em dia de festa. Para essas ocasiões, prefira os casacos sem muitos detalhes para não interferir de forma negativa no modelo do vestido.

Combinado ao shortinho e bolsa casual, circula tranquilamente por ambientes informais. O cinto na cintura, por cima do casaco, valoriza o corpo; mas não pode contradizer o restante da composição: cintos muito finos tendem a sumir no trench mais ‘pesado’. Para maior conforto, o salto pode ser substituído por uma sapatilha.

Jeans + jeans é tendência. Aqui o trench-coat assume a função de neutralizar essa composição. Com a adição do salto alto, o look é perfeito para happy hour em locais não tão informais.

No inverno o casaco serve para aquecê-la, podendo ser usado sobre o terninho. Eles não precisam ser da mesma cor, basta o cuidado de não contrastar cores muito distintas, pois esse efeito é indesejado em ambiente profissional formal.

Fotos: Models

Beleza natural

Na contramão do apelo tecnológico, a tendência natural ganha cada vez mais força. Tecidos e cores naturais em peças leves e confortáveis são a aposta de diversas marcas para atender consumidoras interessadas em “desacelerar o tempo”. Delicada e orgânica, a campanha de verão 2010 da Lauren Ralph Lauren traz ares naturais no shape, nas cores e na beleza.

Feliz 2010


Oii mulherada (e homarada!)
A gente tá passando aqui rapidinho só pra desejar um Feliz Ano novo!
Que 2010 seja repleto de realizações para todos. Que de tudo aquilo que a gente espera que de bom aconteça, seja mesmo possível. Que vocês estejam cada vezmais repletas de felicidades e coisas boas, e que o blog cresça e atendam a todas as necessidades e desejos de todo mundo!
E que venha 2010!

Ser fashion é…

lookbook

Semanas atrás, enquanto eu curtia as férias julinas, aproveitei pra assistir a programas de tv que há muito eu não tinha tempo pra ver, como novelas e seriados. Num desses momentos, me peguei assistindo a um programa de moda na tv aberta. O programa conta com dois apresentadores (produtor de moda e modelo) com o papel de personal stylist e com uma participante, que se “veste mal” no dia-a-dia e são indicados por amigos/familiares pra participar do referido programa.

Enfim, não quero entrar no mérito do programa, mas sim numa situação que me fez parar pra refletir um pouco em como as pessoas não-fashionistas ou leigas vêem a moda, cada um no seu contexto.

A participante desse dia, era uma mulher casada, mãe e trabalhadora, mas que se vestia de uma forma muito “extravagante”, ou melhor, brega mesmo. Em um dos momentos do programa ela apareceu vestida completamente de amarelo: bota amarela, blusa amarela, colar e brincos amarelos, e uma calça jeans bem ferrada. Quando questionada sobre o que achava do look, ela simplesmente respondeu: “Ai… é fashion“.

Mas na verdade não era. Não havia harmonia nas cores, na modelagem nem mesmo na escolha dos acessórios. Não havia coordenação em nada. Estava feio, estava chamativo, estava diferente.

E daí que eu me lembrei de outras histórias como essa, de outros looks como esse, e percebi que pra muita gente, ser fashion é ser diferente. É como se a pessoa se vestisse pra impressionar, pra causar, pra chocar mesmo.

Não estou querendo dizer que se vestir diferente é errado, mas a forma como você enxerga esse “diferente”. Ou seja, ser fashion é saber coordenar as informações que suas roupas, acessórios e maquiagem querem passar. É você transmitir sua identidade nas suas roupas de forma harmoniosa, destacando o que você tem de melhor. É você ser você mesma, sem ser brega ou chamativa por isso.

Moda não é só roupa, sapato, bolsa e demais acessórios. É uma atitude, é informação, é COMUNICAÇÃO. Você transmite uma ideia ao se vestir. E se você “bagunça” todo o seu look, a imagem que os outros vão ter de você é que você é desorganizado, não sabe se comunicar…

Exemplo disso é o que as meninas do Oficina de Estilo disseram (neste post aqui) a respeito dos looks da Lady Gaga. Quando questionada por que não usava acessórios, ela respondeu que não usava, pois suas roupas já chamavam atenção sozinhas, e que portanto, não havia necessidade de usar acessórios.

Lady Gaga com um vestido com modelagem incrível e volumosa, e acessórios zero

Lady Gaga com um vestido com modelagem incrível e volumosa, e acessórios zero

Ou seja, ser fashion vai muito além do que você veste. Tem que ter um olhar pras coisas, e isso se consegue com a prática, mas também com a ajuda de quem entende do assunto, e isso é o que a gente mais encontra na blogosfera!

Próximo post é uma indicação super pra quem quer se vestir bem, mas não sabe por onde começar. Com sugestão de blogs legais que te ensinam tudo isso e muito mais (;